quinta-feira, outubro 18, 2018

A minha alma glorifica o Senhor

Por São João Eudes, “Magnificat, o cântico de Maria” pág 13 a 17.
Clique aqui e veja o livro em nossa nova loja virtual.


       
       Esse primeiro versículo contém quatro palavras apenas, mas cheias de grandes mistérios. Consideremo-las atentamente e com espírito de humildade, respeito e piedade, para que nos animemos a glorificar a Deus com a Bem-aventurada Virgem, pelas grandes e maravilhosas coisas que operou n’Ela, por Ela, para Ela e também para nós.
A minha alma glorifica o Senhor: observai que a Bem-aventurada Virgem não diz “Eu glorifico”, mas “A minha alma glorifica o Senhor”, para demonstrar que Ela O glorifica do mais íntimo do seu coração e em toda a extensão de suas potências interiores. Não O glorifica somente com os lábios e a língua, mas emprega todas as faculdades de sua alma, o entendimento, a memória, a vontade e todas as potências das partes superior e inferior de sua alma.
E não O glorifica somente em seu nome particular, nem para satisfazer às infinitas obrigações que tem de fazê-lo por motivo dos inconcebíveis favores que recebeu de sua divina bondade; mas glorifica-O em nome de todas as criaturas e por todas as graças que Ele concebeu a todos os homens, fazendo-Se homem para deificá-los e para salvar a todos, se quiserem corresponder aos desígnios do inconcebível amor que tem por eles.
A minha alma glorifica o Senhor: Qual é esta alma que a Bem-aventurada Virgem chama a sua alma? Respondo, em primeiro lugar, que acho num grande autor, o Cardeal Marcos Vigier, a opinião de que essa alma da Bem-aventurada Virgem, é o seu Filho Jesus, que é a alma de sua alma.

Em segundo lugar, respondo que essas palavras, “anima mea”, compreendem primeiro a alma própria e natural que anima o corpo da sagrada Virgem; segundo, a alma do divino Menino que Ela traz no seio, alma unida tão estreitamente à sua que ambas formam, de certo modo, uma só alma, pois a Criança que se acha em suas entranhas maternais é um só com a sua Mãe. Terceiro, que essas palavras, “anima mea”, assinalam e compreendem todas as almas criadas à imagem e semelhança de Deus, que existiram, existem e existirão em todo o universo. Pois, se São Paulo nos assegura que o Pai eterno “nos deu, com seu Filho, todas as coisas”, é evidente que, dando-O à sua divina Mãe, deu-lhe também todas as coisas, razão pela qual todas as almas lhe pertencem.
Como a Virgem não ignora, e conhece também perfeitamente a sua obrigação de utilizar tudo quanto Deus Lhe deu para honrá-lO e glorificá-lO, quando pronuncia as palavras “A minha alma glorifica o Senhor”, considerando todas as almas que existiram, existem e existirão como almas que Lhe pertencem, Ela a todas abrange para uni-las à alma de seu Filho e à sua, e para empregá-las no louvor, exaltação e glorificação d’Aquele que desceu do Céu e Se encarnou em seu seio virginal para operar a grande obra da Redenção.
A minha alma glorifica o Senhor: qual é este Senhor? É o Senhor dos senhores, e o Senhor soberano e universal do céu e da terra. Este Senhor é o Pai eterno, este Senhor é o Filho, este Senhor é o Espírito Santo, três Pessoas divinas que são um só Deus e Senhor, e que têm uma só e mesma essência, poder, sabedoria, bondade e majestade.
A Santíssima Virgem louva e glorifica o Pai eterno por havê-la associado a Si em sua divina paternidade, tomando-a Mãe do mesmo Filho de quem é o Pai. Ela glorifica o Filho de Deus por ter sido de sua vontade escolhê-la por Mãe e ser o seu verdadeiro Filho. Glorifica o Espírito Santo, por ter querido realizar n’Ela a maior de suas obras, isto é, o mistério adorável da Encarnação. Ela glorifica o Pai, o Filho e o Espírito Santo pelas infinitas graças que fizeram e têm o desígnio de fazer a todo o gênero humano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...